Branco: você assume o Hitler em você?

Escrito por Marcus Gigio

A cobertura jornalística Ocidental da terrível e covarde invasão da Ucrânia revolveu em mim tanta coisa…

Me lembrou de outras guerras e faxinas étnicas que não tiveram tanta cobertura midiática relevante. O genocídio em Ruanda, onde morreram 1.100.000 pessoas (um milhão e cem mil pessoas), foi ignorado pelos mesmos países que hoje bradam desesperados pelo povo Ucraniano. Só foi mostrado a partir de um filme e ignorado pelo ocidente branco.

Silêncio branco conivente sobre os mais de 4.000 mortos em Bophal, índia, em virtude de um crime ambiental em uma fábrica de fertilizantes inglesa, em 1984.


Certa vez em estava em uma sorveteria branca e chique na praia de Iracema e a polícia iniciou a dispersão de jovens pretos que estavam no calçadão. Tiros, bombas, cassetetes. Um casal jovem branco, que se gabava por ter chegado recentemente do civilizado e branco Canadá disse que a praia de Iracema é linda mas tava muito misturada. Deveriam impedir “essa gente” de vir pra cá “fazer baderna e assaltar”.

A filosofa branca Hannah Arendt, cujas teorias políticas são festejadas na academia branca, afirmou em sua obra “As Origens do Totalitarismo” que o holocausto foi algo sem precedentes na humanidade, pois deu aos judeus um tratamento dado somente aos “selvagens”.

Essas histórias, aparentemente desconexas, convergem em uma questão fundamental: o racismo justifica o genocídio. O genocídio, negro e não branco, não causa espanto, porque não é um ponto fora da curva.

É algo normal, corriqueiro e a grande mídia não se ocupa de coisas normais, que devem acontecer para o mundo girar.

Destino inexorável do povo preto e não branco.

No Brasil, temos o genocídio negro, a conta gotas, que nunca irá cessar, por que é parte fundamental do gozo (em termos psicanalíticos) branco.

Ver o suplício negro estimula o prazer branco, por que reafirmam a sua superioridade.

Já dizia Frantz Fanon.

Duas obras são fundamentais, para que você branco, identifique o Hitler que habita a sua subjetividade. Mas que você dissimula. Discurso sobre o Colonialismo – Aimé Césaire e Retrato do Colonizado precedido do Retrato do Colonizador – Albert Memmi.

O erro de Hitler e de Putin foi o extermínio de Brancos. Se Putin e Hitler tivessem invadido a África, talvez tivessem bustos de bronze erigidos em todos os rincões do mundo tidos como “salvadores do Ocidente”.

Deixe uma resposta