Olá!

Segue a linha:

O que somos?

O Jornalzine começou em maio de 2020 como um material que é tanto um jornal quanto um fanzine.

Estamos em uma rede de pessoas que conversam sobre a racialização branca, assim como todos os desdobramentos que esse processo de racialização traz em um mundo estruturado pelo racismo.

Como isso acontece?

Fazemos isso através de rodas de conversas (abertas a todes) online, grupos online (no whatsapp e aqui no fórum) e através do material, o próprio jornalzine, que é criado em conjunto, periodicamente.

A intenção é construirmos estratégias de enfrentamento aos racismos dentro das bolhas das branquitudes. Nos responsabilizarmos pelas nossas histórias, pelas histórias das pessoas que vieram antes e garantiram que a realidade esteja tal qual é.

O que são
branquitudes?

O grupo “branco” também é um grupo racial. Há um motivo para pessoas brancas não se lerem como racializadas. Ser branco vai muito além da cor da pele: consiste em deter privilégios raciais, simbólicos e materiais.

A questão é que nós, as pessoas brancas, sentimos um imenso desconforto quando iniciamos nossa compreensão de que pertencemos a um grupo étnico-racial. Justamente porque nunca precisamos fazê-lo.

Apenas a branquitude tem o privilégio de não precisar se reconhecer.

Usa-se branquitudes, no plural, porque há diferenças dentro da concepção do que é ser branco de acordo com as formações sociais e culturais de cada localidade.

Vamos juntes?

estamos também no instagram: @jornalzine

Últimas postagens

Ainda sem título: isso tem nome de quê?

o meu desejo de proponente reflexiva é que cada pessoa se deixe afetar apenas pela imagens antes de ler meus devaneios a seguir. Provoco-lhes, então, a voltar pra leitura do texto quando e se os afetos elaborarem os sentimentos-pensamentos que essa narrativa imagética provocou…. Abaixo, vocês vão encontrar uma foto-descrição e uma provocação em texto

A história do mundo de uma só cor

A presença maciça de europeus e seus descendentes em várias regiões do Brasil se deu pelo oferecimento de terras para moradia e plantio, sem que eles precisassem fazer nada por isso. Isso aconteceu após terem roubado riquezas e violentado nossa população. Ainda sim, mereciam uma condição privilegiada que os brasileiros da época não tinham. Passamos

Legado roubado

Os brancos deste país tem uma mania de achar que pessoas pretas são alheias à riqueza, de forma geral. Isso me leva a pensar na meritocracia, ou seja, se a gente é pobre é porque a gente quer. Afinal basta eu me esforçar pra conseguir almejar aquilo que os brancos já tem.