Olá!

Segue a linha:

O que somos?

O Jornalzine começou em maio de 2020 como um material que é tanto um jornal quanto um fanzine.

Estamos em uma rede de pessoas que conversam sobre a racialização branca, assim como todos os desdobramentos que esse processo de racialização traz em um mundo estruturado pelo racismo.

Como isso acontece?

Fazemos isso através de rodas de conversas (abertas a todes) online, grupos online (no whatsapp e aqui no fórum) e através do material, o próprio jornalzine, que é criado em conjunto, periodicamente.

A intenção é construirmos estratégias de enfrentamento aos racismos dentro das bolhas das branquitudes. Nos responsabilizarmos pelas nossas histórias, pelas histórias das pessoas que vieram antes e garantiram que a realidade esteja tal qual é.

O que são
branquitudes?

O grupo “branco” também é um grupo racial. Há um motivo para pessoas brancas não se lerem como racializadas. Ser branco vai muito além da cor da pele: consiste em deter privilégios raciais, simbólicos e materiais.

A questão é que nós, as pessoas brancas, sentimos um imenso desconforto quando iniciamos nossa compreensão de que pertencemos a um grupo étnico-racial. Justamente porque nunca precisamos fazê-lo.

Apenas a branquitude tem o privilégio de não precisar se reconhecer.

Usa-se branquitudes, no plural, porque há diferenças dentro da concepção do que é ser branco de acordo com as formações sociais e culturais de cada localidade.

Vamos juntes?

estamos também no instagram: @jornalzine

Últimas postagens

Acemira, a cidade presa em si

Era uma cidade muito engraçada Não seguia regra, seguia nada  “Bem vindo a Acemira (1)” “Uma das cidades mais antigas do Brasil”  “Uma das maiores reservas ambientais do país” Dizia a sequência de três placas, após 1h de estrada sem sinalização. Fiquei boba de tão maravilhada com o caminho; a pista simples, vista de montanhas

O Estado serve a quem?

Escrito coletivamente pelo Núcleo de Estudos sobre Branquitudes – NEB. É uma enxurrada de práticas veiculadas ultimamente pela mídia que nos escancara mais uma vez o poder da branquitude dentro da sociedade (racista) brasileira. Nos referimos, primeiro, à prática genocida e eugenista do Estado, que, pelas truculentas operações militares nas favelas, tem matado cada vez